>> Varejo

eFácil adota solução de Commerce

Empresa de e-commerce com sede em Uberlândia aumentou em 100% a estabilidade do site e registrou crescimento no volume de vendas após uso da tecnologia de smart selling, da IBM

Por: Redação, ⌚ 19/05/2017 às 12h22 - Atualizado em 19/05/2017 às 12h22

Para aprimorar a experiência de seus consumidores, a eFácil – varejista online do Grupo Martins – acaba de adotar a solução de Inteligência de vendas da IBM. A partir da plataforma IBM Websphere Commerce, a companhia conseguiu aumentar a disponibilidade do comércio eletrônico em 100%. Este resultado foi comprovado durante as vendas do último Dia das Mães, quando o portal ficou disponível em tempo integral e registrou um crescimento de 49% nas vendas.

 

O site também registrou números positivos nas últimas duas Black Friday no país, ficando integralmente no ar e registrando um número de vendas superior ao do período anterior à implementação da solução. “Com o IBM Websphere Commerce tivemos as duas melhores vendas do eFácil, em 2015 e 2016, e ficamos acessíveis o tempo todo. Não precisamos colocar ninguém em sala de espera”, afirma o gerente de TI e Customer Experience do eFácil, Eduardo Souza Pimentel. O executivo esclarece que os períodos do Natal e início do ano também são muito importantes para a companhia, já que as vendas seguem com cerca de 10% e 20% de crescimento, respectivamente.

 

De acordo com Pimentel, a plataforma é bastante sólida e torna o site da companhia apto a receber usuários sem riscos de sair do ar, mesmo durante os grandes picos de vendas. “Antes, o site era feito in-house e conectado ao Grupo Martins. Agora, temos nossa própria infraestrutura, com banco de dados individual. A plataforma da IBM trouxe a autonomia e o suporte que precisávamos”, explica.

 

Além de melhorar a estabilidade do portal, o IBM Websphere Commerce ajudou o time do eFácil com ferramentas de acompanhamento de vendas que antes não existiam, como refinar as buscas de produtos, verificar carrinho de compras “abandonado” e entender a causa, pesquisar o comportamento do comprador, entre outros. “Se não fosse pela ferramenta, nós mesmos teríamos de desenvolver dentro de casa essas aplicações”, conclui.

 

Varejo cognitivo

 

A “explosão” dos dados estruturados e não estruturados representa, atualmente, uma grande oportunidade para os varejistas. De acordo com um estudo recente da IBM, 91% dos executivos deste setor estão familiarizados com a computação cognitiva e acreditam que ela desempenhará um papel disruptivo em sua organização. Além disso, outros 83% entendem que a tecnologia terá um impacto crítico no futuro de sua organização e 94% deles pretendem investir nestas capacidades a curto prazo.

 

Isto quer dizer que os mesmos já reconhecem a importância de utilizar inteligência de dados para personalizar experiências, tirar proveito dos concorrentes e fazer um verdadeiro engajamento com seus consumidores. Segundo o levantamento, espera-se que nos próximos anos o varejo seja totalmente disruptivo.

 

>> Panorama