Inscreva-se!

Decision Report - Página inicial

   
| Assinaturas  |  Publicidade  |  Newsletter  |
|  Contato |   Busca: 
 |
Panorama Finanças Governo Saúde Serviços Indústria Varejo
Mercado
Pesquisa
Fusões
Cases
Carreira
Segurança
Comentário
Risk Report
Executive Report


SECURITY LEADERS

PROOF




Você está em: Home - Prisma

O direito de errar

*Graça Sermoud     28/11/2016

A tendência do Retail Lab está no centro das discussões sobre como o Varejo deve evoluir sua agenda de transformação digital. Isso porque muitos varejistas acreditam que a dinâmica do setor dificulta experimentos em meio à rotina do comércio. Neste caso, o laboratório de inovação permitiria criar um ambiente separado do dia a dia, com uma cultura totalmente digital, talentos voltados para essa agenda e com direito a errar.

O tema ainda é extremamente novo, tanto no Brasil como no mundo e sujeito a considerações. Existe a corrente que acredita na inovação como algo intrínseco ao negócio e que não faria sentido criar um ambiente separado para testar modelos disruptivos. Os que pensam dessa forma defendem que as startups são exemplos que não possuem laboratórios de inovação e que a cultura digital está no DNA da empresa.

Para outras, o conceito de laboratório permite ao varejo arriscar modelos e pensar maneiras diferenciadas de fazer o mesmo, sem comprometer a engrenagem dos negócios e impactar a cadência da TI. Os que pensam assim estão buscando formas de implementar o modelo levando em conta a cultura digital da empresa e o estilo de negócios.

A criação de um laboratório de inovação tem sido apontada como um dos caminhos, mas não há uma receita que funcione em todas as empresas. Existem os que optam pelos Labs dedicados, criando verdadeiras startups fora da empresa com ambientes voltados à experimentação. Outros optam por manter o grupo dentro de casa, mas com equipes e agendas separadas e integrado à estrutura do business, onde o ambiente de testes é a própria loja.

E ainda temos um terceiro grupo que terceiriza o modelo contratando Labs que prestam serviços aos varejistas. O papel desses laboratórios é trazer a digitalização para dentro das organizações, concentrar esforços de inovação digital e simplificar a implantação, acelerando o processo de prototipagem e testes, além de atrair e reter talentos.

Dispensa dizer que justamente esses serviços propostos por terceiros concentram os maiores desafios para que os varejistas assumam um Retail Labs, dedicado ou não. De qualquer forma, independente da trilha escolhida, a possibilidade de ter um time pensando e experimentando inovação digital o tempo todo e ainda com sinal verde para errar sem comprometer a dinâmica da TI e dos negócios é indiscutivelmente tentadora.

*Texto originalmente publicado no editorial da 33ª edição da Revista Decision Report que está disponível para download gratuito no site www.decisionreport.com.br

Enviar por e-mail   |   Imprimir texto

Mercado - 27/03/2017
Seal Telecom cresce 40% em 2016

Mercado - 27/03/2017
Venda de celulares no Brasil deve crescer 1,6% em 2017

Mercado - 27/03/2017
Nastek adota soluções digitais para IoT

Mercado - 27/03/2017
Wittel investe em inovação e transformação digital

Mercado - 27/03/2017
Datalogic consolida vendas no Brasil

Mercado - 24/03/2017
Compra da Mobileye pela Intel impulsiona investimentos

Mercado - 24/03/2017
Ativas inicia nova fase de expansão

Mercado - 24/03/2017
Software AG firma parceria com Google Cloud

Mercado - 23/03/2017
O papel do monitoramento na estratégia de Cloud

Mercado - 23/03/2017
Máxima Sistemas investe em automação de vendas



Os CEOs e a inovação
*Por Orlando Cintra

Orlando Cintra, da SAP Brasil, fala como a transformação digital é um tema de interesse, investimento e grande preocupação dos executivos. Quem, de fato, faz a ideia disruptiva acontecer dentro da organização?


Copyright © 2015 Decision Report       Todos os direitos reservados.       É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.